fim da validade da MP 927 fim da validade da MP 927

Principais mudanças para o empregador doméstico com o fim da validade da MP 927

3 minutos para ler

Editada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, a MP 927 perdeu a validade neste domingo (19/7), dessa forma, neste artigo você entende melhor quais as principais mudanças para o empregador doméstico.

A partir de 17/07/20 (fim da MP 927)

Férias individuais

  • Fica proibida a concessão de férias para períodos aquisitivos não adquiridos.
  • As férias que foram concedidas até 17/07/2020 tem validade o poderão ter o pagamento do terço constitucional até 20 de dezembro.
  • Se as férias antecipadas não se iniciaram até 17/07/20, torna-se inválido o aviso,mesmo que dado antes de 17/07.
  • A comunicação das férias volta a ter que ser feita com 30 dias de antecedência.
  • O tempo mínimo de um dos  períodos de concessão volta a ser de 14 dias.
  • O pagamento do adicional de 1/3 e o abono pecuniário voltam a ser pagos nos prazos normais, dois dias antes do início das férias.

Feriados

  • O empregador não poderá antecipar o gozo dos feriados não religiosos, mas os feriados já concedidos e ajustado em termo de acordo entre empregado e empregador até 17/07/2020 continuam valendo.
  • Se a prefeitura antecipar feriado já antecipado pela MP 927, prevalece a antecipação já realizada pelo empregador, ou seja, o empregado irá trabalhar no feriado, pois a folga já foi dada em outro dia.

Banco de horas

  • O banco de horas deixa de poder ser compensado em até 18 meses, voltando ao prazo de 6 meses (em caso de acordo individual).
  • O  termo de acordo entre empregado e empregador de banco de horas firmado até 17/07/2020 continuam valendo.

Recontratação em 90 dias

A portaria 16.655/20, autorizou durante estado de calamidade pública decorrente da COVID-19, a recontratação de funcionário, dentro de 90 dias, sem que a empresa venha a ser punida por rescisão fraudulenta. Assim estabelece:

“Art. 1º Durante o estado de calamidade pública de que trata o Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020, não se presumirá fraudulenta a rescisão de contrato de trabalho sem justa causa seguida de recontratação dentro dos noventa dias subsequentes à data em que formalmente a rescisão se operou, desde que mantidos os mesmos termos do contrato rescindido.”

A regra válida até 14/07/2020 era a prevista no artigo 2° da Portaria 384/92, que estabelece que Considera-se fraudulenta a rescisão seguida de recontratação ou de permanência do trabalhador em serviço quando ocorrida dentro dos noventa dias subseqüentes à data em que formalmente a rescisão se operou, porém no período de pandemia será possivel recontratação dentro de 90 dias. 

Não orientamos os empregadores a fazerem recontratação com salários abaixo do salário estabelecido  na época da rescisão.

Leia mais sobre medidas leais durante a pandemia clicando aqui.

Posts relacionados

Deixe um comentário